Unidades da Fase produzirão mil máscaras por semana com apoio de adolescentes e funcionários

Adolescentes que cumprem medida na Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase) e funcionários iniciaram a produção de máscaras descartáveis e de tecido que servirão para o uso interno das unidades e também serão oferecidas às famílias dos socioeducandos. Pelo menos seis unidades de Porto Alegre e do interior, mais o Centro de Convivência e Profissionalização (Ceconp), estão empenhados na confecção das peças. A previsão é que cerca de mil unidades semanais sejam fabricadas na Fase.

No Centro de Atendimento Socioeducativo POA II, por exemplo, 30 socioeducandos separados em turmas produzem 50 máscaras de tecido por dia. Na próxima quarta-feira (8/4), algumas peças serão entregues às famílias deles, que também receberão uma carta dos jovens.

No Centro Socioeducativo Feminino (Casef), 10 meninas, além de funcionárias, participam do projeto. Em Santa Maria, a iniciativa envolve 15 meninos e mais duas agentes socioeducativas, em rodízio de produção. Em média, produzem 30 máscaras por dia. Elas serão incluídas nas cestas básicas destinadas aos familiares e montadas pela unidade.

A mesma atividade ocorre no Ceconp, no Centro de Atendimento em Semiliberdade (Casemi) de Porto Alegre, no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Novo Hamburgo e de Uruguaiana.

Voluntariado

Um grupo de servidores da Fase, membros da Associação dos Funcionários das Fundações Estaduais de Proteção Especial e de Atendimento Sócio-Educativo (Afufe) e voluntários trabalham em casa para a confecção das máscaras. Eles produzem, aproximadamente, 200 peças por semana que serão direcionadas para as unidades da fundação.

Incentivo

Diante da dificuldade de se adquirir as máscaras no comércio e como estímulo à adoção de medidas de proteção, os projetos recebem apoio integral da presidência da Fase e do Secretário Estadual da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), Catarina Paladini. “Todas as ações que auxiliem no combate ao coronavírus têm nosso respaldo e apoio. Sempre lembrando, claro, que esta é mais uma forma de proteção, mas que todos os demais cuidados devem ser mantidos, principalmente o de lavar as mãos frequentemente”, disse o presidente da Fase, Farelo Almeida.

Paladini ainda destaca que os jovens estão fazendo sua parte nesse momento crítico. “Além de ajudar quem precisa e proteger suas famílias, eles estarão exercendo cidadania e ganhando uma oportunidade de fazer a diferença. Tudo isso é muito importante para a socioeducação e para nosso trabalho de recuperar dignidade e vidas”, completou,

 

 

1623 visualizações 6 visualizadas hoje