Oficina de pães desenvolvida pelo Case NH já distribuiu cerca de 1,3 mil pães para comunidade

Um projeto com função socioeducativa e que também busca estimular a empatia e a solidariedade entre os socioeducandos. É assim que tem se consolidado a oficina “Pão pra Casa”, criada pela equipe do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) Novo Hamburgo e que tem auxiliado inúmeras pessoas da comunidade com a distribuição de pães caseiros.

A iniciativa surgiu no início da pandemia causada pelo novo coronavírus em parceria com a Pastoral da Criança e Prefeitura de Novo Hamburgo. Aproveitando a sala onde ocorriam as aulas da oficina de Padaria e Confeitaria _ promovida em parceria com a Prefeitura de Novo Hamburgo e ministradas pela ASBEM (Associação de Bem-Estar da Criança e do Adolescente)_, os adolescentes produzem 40 pães por semana e a Pastoral distribui na Vila Kipling para as famílias que já são assistidas pela entidade. A Prefeitura de Novo Hamburgo forneceu todo maquinário, como forno industrial, batedeira industrial e exaustar para as atividades. Desde o início do projeto, em abril de 2020, cerca de 1,3 mil pães de 800 gramas foram doados. “Muitos conhecem a realidade de quem recebe os pães, já que são oriundos dela”, descreve a agente socioeducadora Adriana Flores Goulart.

A oficina “Pão pra Casa” oferece aos adolescentes a vivência e o conhecimento dos fundamentos do empreendedorismo, tendo sua dinâmica de funcionamento e de organização aproximada à de uma empresa. Para tanto, a unidade criou uma empresa fictícia chamada “Fênix”, realizando processos de seleção para participação a partir dos currículos entregues pelos adolescentes com interesse em participar da oficina. Hoje, 12 adolescentes atuam no projeto. “Os jovens aprendem na oficina sobre comportamento e mercado de trabalho, fazem currículo, entrevista e se vinculam. Parte deles assume a função de controlar a contabilidade da parcela de pães que é produzida para venda visando o custeio da doação. Todos são estimulados a ler livros sobre o tema, nosso modelo é baseado nos livros de Flávio Augusto da Silva, “Geração de Valor”, direcionando os adolescentes às possibilidades de sucesso”, completa Adriana.

A contabilidade da oficina utiliza uma versão estudante do Software ContabMilenium. São criadas notas fiscais fictícias e todo o controle de estoque, bem como, o lançamento das notas de compra de produtos para a oficina e as doações recebidas. Tudo é registrado e controlado pelos adolescentes designados para essa função. “O vínculo dos adolescentes com o projeto é muito grande e reflete o comportamento dentro do Case. Fora da unidade, muitas famílias são beneficiadas e a visão do trabalho aqui realizado está diferente para parte da população que conhece o Pão pra Casa. Os adolescentes, ainda que privados de liberdade, sentem-se úteis e importantes”, reforça.

Os jovens que estão tendo a oportunidade de participar do projeto, reconhecem o quanto têm aprendido com ele. “A oficina ampliou minha mente, ajudando o próximo eu consigo ver o mundo pelo lado bom. Tenho planos para o futuro, ser um empresário, ir pelo lado certo. A oficina me inspira a dar um passo melhor”, relata um dos jovens.

O projeto do Case NH aceita doações de farinha, leite, fermento, açúcar e óleo. Outras informações pelo telefone (51) 3524.2380.

 

541 visualizações 1 visualizadas hoje