Governo inaugura nesta quarta-feira módulo escolar da Escola Estadual Tom Jobim na Fase

A Secretaria de Educação (Seduc), a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) e a Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase) inauguram nesta quarta-feira (18) o módulo escolar da Escola Estadual Tom Jobim, em anexo ao Centro de Atendimento Socioeducativo Feminino (Casef), em Porto Alegre.

Iniciada em abril de 2019 e finalizada em maio de 2020, a obra teve o acompanhamento e supervisão do Núcleo de Engenharia e Arquitetura da Fase. O investimento foi de R$ 718.264,12, com recursos do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), por meio da Seduc.

O prédio com 319,50 m² é composto por biblioteca, seis salas de aula, sala de informática, copa, sanitário professores, sanitário alunos, depósito material de limpeza e depósito material pedagógico.

Ao lado da profissionalização, a educação é um fator fundamental no processo de ressocialização dos jovens internos na Fase. É por isso que em cada uma das unidades de internação funciona uma escola estadual que atende exclusivamente a adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa. Nessas instituições de ensino, o socioeducando prossegue com seus estudos, seja no Ensino Fundamental ou Médio. Frequentar as aulas é obrigatório para todos, sem exceção.

Buscando modernizar as instituições de ensino, outros módulos já foram inaugurados em diferentes unidades da Fase no Rio Grande do Sul: o Módulo Escolar do Case Santa Maria (março de 2018); Módulo Escolar do Case Caxias do Sul (maio de 2019); Módulo Escolar do Case Pelotas (setembro de 2019) e o Módulo Escolar do Centro de Internação Provisória Carlos Santos (CIPCS), em Porto Alegre (julho de 2020).

Laboratório Multimodal

Em uma sala do módulo escolar, também será inaugurada nesta quarta-feira (18) o Laboratório Multimodal, montado com recursos do Itaú Social em parceria com a Fundação Carlos Chagas (FCC). O laboratório será utilizado para o desenvolvimento do projeto de pesquisa “Novos significados para alunos dos anos finais do ensino fundamental no contexto da socioeducação: linguagens para a autonomia e a cidadania”, proposta que foi uma das 14 escolhidas entre as 492 submetidas ao processo seletivo, lançado ainda em 2018, em todo o Brasil.

A equipe responsável pelo projeto é composta pela professora doutora Cátia de Azevedo Fronza e a professora e doutoranda Sabrina Bastos, ambas do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos), e pela especialista e diretora da escola Silvana Carvalho, a professora doutora Angélica Mello e a professora doutora Andréa de Fraga, da Escola Tom Jobim.

De acordo com os idealizadores do projeto, a proposta tem por objetivo fomentar, apoiar e disseminar investigações comprometidas com a construção de soluções para os desafios e obstáculos à melhoria da qualidade das políticas educacionais e ao funcionamento cotidiano das escolas. O foco está na ampliação das oportunidades de aprendizagem de todos os estudantes e na mitigação e superação de desigualdades educacionais dos anos finais do Ensino Fundamental.

Sobre a Escola Estadual Tom Jobim

A Escola Tom Jobim está inserida no Complexo Socioeducativo da Fase, na Vila Cruzeiro, e além do módulo escolar no Casef, também atua no Case POA I, POA II e CSE. Atualmente, tem cerca de 65 funcionários e 217 alunos ao todo.

A instituição oferta Ensino Fundamental regular até 14 anos, EJA/ Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular, dando continuidade aos estudos dos socioeducandos, assegurando-lhes oportunidades apropriadas, consideradas suas características, interesses, mediante ações didático-pedagógicas coletivas ou individuais.

Trabalha com a perspectiva de resgate de valores propiciando possibilidades de inclusão social e para o despertar de uma consciência humanizadora, agregando conhecimento, cultura, normas de convívio, com o objetivo de tornar o aluno um ser crítico e ativo, socialmente e profissionalmente.

Escola Tom Jobim

316 visualizações 1 visualizadas hoje