Fase assina ordem de serviço para construção de anexo escolar em unidade de Porto Alegre

25151433_1553562_GDO

Foi realizada na manhã desta terça-feira (25), na quadra poliesportiva do Centro de Internação Provisória Carlos Santos (Cipcs), em Porto Alegre, a assinatura da ordem de serviço para o início das obras do prédio anexo da Escola Estadual Senador Pasqualini. A assinatura do termo foi feita pela secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, em conjunto com o presidente da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), Robson Luis Zinn e o secretário estadual de Obras, Saneamento e Habitação, Rogério Salazar.

Os socioeducandos apresentaram o texto “Tropeço e Sossego”, selecionado como um dos cinco melhores no II Concurso Literário da Fase. Na ocasião, a secretária Maria Helena afirmou que é preciso acreditar nos adolescentes e no futuro da socioeducação. “Fico emocionada em ver o empenho e a valorização no trabalho realizado por toda a equipe da Fase. O futuro do país são os jovens, então é preciso investir neles”, disse.

Zinn lembrou dos diversos investimentos que estão sendo feitos no Cipcs, entre eles a reforma da quadra poliesportiva, troca dos encanamentos e a reforma da caixa d’água. “A ampliação da Senador Pasqualini é um grande passo para nós. Traz mais conhecimento, cultura e oportunidade para esses adolescentes, o que é o pilar de todo o sistema socioeducativo”, destacou.

Estiveram presentes no ato de assinatura, a diretora da instituição de ensino, Paula da Costa, funcionários da escola, o diretor do Cipcs, Maurício Pozolo, o representante da empresa CSM Construtora Silveira Martins, Rogério Gastão, responsável pela execução da obra, equipe diretiva e servidores da Fase, além dos socioeducandos.

Novas escolas

O investimento no prédio anexo da Escola Estadual Senador Pasqualini será de cerca de R$ 1,1 milhão, resultante de um convênio entre a Fase e a Secretaria Estadual da Educação (Seduc), no valor total de R$ 10 milhões. Este é o segundo de um total de oito anexos escolares que estão sendo construídos em unidades de internação da Fundação no interior e na capital. A primeira ordem de serviço assinada foi da escola de Uruguaiana, no último dia 18. Parte da quantia ainda será destinada à construção de um ginásio poliesportivo no Complexo Cruzeiro, em Porto Alegre.

Em março deste ano, a Fase já havia entregue um novo anexo escolar em sua unidade de internação de Santa Maria. Entretanto, a construção foi custeada com recursos de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), concedido pelo Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul da 4ª Região, de aproximadamente R$ 700 mil. O modelo arquitetônico desta obra servirá para todos os demais anexos a serem construídos no estado.

O novo prédio anexo ao Cipcs, que deverá estar pronto em até seis meses, proporcionará aos socioeducandos ambientes modernos e bem equipados para as práticas escolares. O módulo será composto por sete salas de aula e laboratório, biblioteca multimídia, sala de direção, sala de professores e secretaria, banheiros, cozinha e espaço para material pedagógico. As atuais salas onde hoje funciona a escola Senador Pasqualini darão lugar a espaços reservados à realização de cursos e oficinas profissionalizantes.

Além de Uruguaiana e do Cipcs, em Porto Alegre, outras unidades de internação serão beneficiadas com os anexos escolares que irão ser entregues até abril de 2019. Na capital serão outras três unidades beneficiadas. Pelotas também já possui a data de assinatura definida: dia 1º de outubro. Ainda devem ser formalizados em breve as ordens de serviço das unidades de Caxias do Sul e Santo Ângelo. A construção das escolas foi pactuada com o governo do Estado no Acordo de Resultados.

Histórico

Em agosto de 2015, o presidente da Fase apresentava à Secretaria de Educação (Seduc) um projeto de modernização das instituições de ensino localizadas nos centros de atendimento da Fundação. Na ocasião, Zinn destacava que, especialmente as escolas em unidades modelo CJ (Centros da Juventude), construídas na segunda metade da década de 1990, necessitavam de total reformulação por estarem em desacordo com o que estabelece o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). Após um período de ajuste com a pasta, em janeiro de 2017, a Fase assinou o convênio com a Seduc, no valor de R$ 10 milhões.

Texto: Daiana Camillo/Ascom Fase

792 visualizações 2 visualizadas hoje