Escola Paulo Freire, do Case Passo Fundo, realiza projeto educacional

escola-passo-fundo

A Escola Estadual de Ensino Médio Paulo Freire, localizada no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Passo Fundo realizou, no dia 11/07, mais uma etapa do Projeto de Formação dos Socioeducandos. A atividade desenvolvida pela instituição de ensino prevê encontros mensais abordando um tema principal e que desta vez teve o título: “É preciso viver de cara limpa”. A Escola também conta com outros projetos, como: Presença (interação família e escola); Cultivando Cidadania (horta e jardinagem); Grafite; Sê liga na Leitura e Sustentabilidade (Seminário Integrado do Ensino Médio).

O projeto é prioridade absoluta entre os demais que a Escola desenvolve, já que seu objetivo está focado na parte formativa dos estudantes, na educação moral e ética. Os valores e princípios são trabalhados em conjunto com a socioeducação, contemplando as necessidades e fornecendo subsídios importantes no processo de reinserção social. A dinâmica é bastante diferenciada da sala de aula, uma vez que reúne adolescentes de diferentes turmas, o desafio é grande no sentido de fazer todos olharem para si próprios e para os outros, além de garantir que possam interagir e participar, entendendo o que estes estudantes compreendem como verdadeiro e importante.

Também é foco de trabalho a postura cidadã e os conceitos relacionados ao desenvolvimento pessoal e social, apontando para ganhos qualitativos na vivência e convivência. Este ano o projeto tem a coordenação da professora Nisiane Caldart Telles e conta com o envolvimento e participação de todos os profissionais da escola. Durante a atividade, a reflexão e as propostas realizadas apontaram para a necessidade do diálogo, do respeito às diferenças, tolerância e o cuidado que devemos ter ao proferir as palavras para o outro. Um dos alunos da escola fez uma avaliação do projeto: “esse trabalho faz o cara pensar”, disse.

Conforme a analista em educação, Karin Schappo, o trabalho realizado pela escola é importante para a socioeducação. “O projeto de formação estimula a construção do conhecimento pelo socioeducando, incentivando a sua maior participação em aulas. Por meio de atividades criativas e que fogem do estilo tradicional de ensino. Além disso, a interação com o grupo promove o respeito ao próximo, a cooperação e o pensamento crítico, ajudando tanto na formação social como intelectual do adolescente, fazendo valer o tempo e a investida nesse tipo de recurso”, explicou.

Texto: Ascom Fase com colaboração de Lucas Schardong
Foto Divulgação Case Passo Fundo

1182 visualizações 1 visualizadas hoje