Adolescentes e servidores aprovam nova Carlos Santos

Servidores da unidade Carlos Santos. - Luis Francisco Silva / Ascom FASE

Servidores da unidade Carlos Santos. – Luis Francisco Silva / Ascom FASE

Com o término das obras da reforma geral do Centro de Internação Provisória Carlos Santos (Cipcs), da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), cerca de 100 adolescentes já estão recebendo um melhor atendimento no cumprimento de suas medidas. A nova casa também é festejada pelos 132 servidores da unidade que, agora, contam com um melhor local de trabalho. Depois de uma completa recuperação das alas e da estrutura, em uma operação que demandou a realocação de todos os adolescentes na unidade Padre Cacique durante o período de obras, a Carlos Santos está em plena atividade.

Espaço físico adequado é condição indispensável para a ressocialização do adolescente em conflito com a lei. Por conta disso, um dos focos da atual gestão é a reforma de todas as unidades de internação no Rio Grande do Sul, no mais amplo plano de investimentos em infraestrutura, desde a criação da Fase, em 2002. Nos últimos 3 anos, o valor de investimentos em obras chega a R$6,5 milhões. Somente a reforma da Carlos Santos custou mais de R$2 milhões.

O diretor da unidade, José Carlos Hudson, lembra que os dias de “acampamento”, quase um ano, na unidade Padre Cacique não foram fáceis, mas que tudo deu certo graças ao coletivo, ao compromisso dos servidores com a Carlos Santos. “Como diretor, me sinto privilegiado de ter esta equipe. Durante este tempo na Padre Cacique, todo mundo pegou junto. Nos mostramos um grupo unido, mesmo nos dias difíceis. Não foi fácil, mas todos estavam conscientes que era por um bem maior. E se hoje temos uma Carlos Santos nova, muito é graças a eles que, inclusive, participaram do conceito da reforma através de um grupo de servidores”, lembrou.

714 visualizações 2 visualizadas hoje